segunda-feira, 4 de abril de 2011

BÍBLIA E CIÊNCIA: CRIACIONISMO OU EVOLUCIONISMO?

Inúmeros cientistas renomados se renderam às maravilhosas declarações da Bíblia e creram em Deus, como Samuel Morse (Telégrafo e Código Morse), James Joule (relação entre calor e movimento mecânico), Louis Pasteur (vacinas, imunização e pasteurização), os irmãos Wright (avião motorizado) e Mendel (genética). Isaac Newton (Lei da Gravidade) certamente foi um dos maiores cientistas e um dos mais conhecidos. Ele afirmou:

“Eu tenho uma crença fundamental na Bíblia como a Palavra de Deus, escrita por homens inspirados. Eu estudo a Bíblia diariamente”.

Existe uma incompatibilidade entre o que muitos cientistas afirmam e a verdade dos textos bíblicos. A ciência jamais conseguiu refutar a existência de Deus e jamais conseguirá. Mas, muitos cientistas (a grande partes deles), na contra-mão desta tendência, insistem em não reconhecer a Divindade, orgulhosos do cabedal de conhecimento que adquiriram. E nisto há uma certa parcela de ironia, pois, é justamente para este Deus negligenciado por eles, que terão de prestar contas. De fato, “o saber ensoberbece...” (1ª Coríntios 8:1b).

É importante ressaltar que Deus nunca proibiu nos aperfeiçoarmos no conhecimento. Ele não é contra fazermos cursos de aperfeiçoamento, faculdade, mestrado, doutorado, etc.. Ele nos dotou de inteligência e criatividade justamente para crescermos em sabedoria e conhecimento. Mas, infelizmente muitas pessoas quando avançam no conhecimento, se auto-engrandecem e acreditam que sabem tudo sobre a vida. Esta atitude, sim, é condenada por Deus (Tiago 4:6).

A ciência cada dia mais vem confirmando a autoridade das Sagradas Escrituras. Na verdade existe uma compatibilidade inquestionável entre a verdadeira ciência e a interpretação correta da bíblia. Muitas verdades atualmente comprovadas pelos cientistas foram anunciadas pela Bíblia muito tempo antes que eles ao menos as cogitassem como teorias.

Entre centenas de exemplos, temos o conceito de que Deus “suspende a Terra sobre o nada” (Jó 26:7), que a Terra é esférica (Isaías 40:22; cf. Levítico 17:31-34), que o número de estrelas existentes no universo é incalculável (Jeremias 33:22). A Bíblia ensina até mesmo que as estrelas possuem vários tipos de grandeza, conhecidas pela ciência como anãs brancas, gigantes vermelhas, etc. (1ª Coríntios 15:41).

A hematologia confirma que “a vida da carne está no sangue” (Levítico 17:11). Uma análise da composição dos principais elementos do corpo humano mostra que estes elementos estão contidos em amostras do pó da superfície terrestre (ex: cálcio, potássio, oxigênio, fósforo, carbono, magnésio, etc.), conforme a Bíblia já havia indicado em Gênesis 2:7 e Eclesiastes 12:7.

A Bíblia nem sempre registra ensinamentos científicos de forma exaustiva, pois, não é a sua finalidade. Porém, mesmo não sendo detalhista em determinadas áreas, ela é sempre verdadeira naquilo que registra. Devido à sua inspiração divina e conseqüentemente sua inerrância, podemos confiar nela plenamente, pois, a Palavra de Deus não falha (João 10:35b), ela é a verdade (João 17:17).

O que Deus diz é verdade (Isaías 45:19c; Hebreus 6:18b) e contra fatos não há argumentos, como a própria Bíblia já havia expressado:

"Nada podemos contra a verdade, senão em favor da própria verdade." (2Co 13:8).

Mas, nunca houve tantas pessoas enganadas por não acreditarem no que a Bíblia afirma. Elas têm se deixado persuadir por doutrinas humanas e estão sendo usadas pelo diabo para desacreditar a Palavra de Deus com suas mentiras. Assim, também, os cristãos menos amadurecidos passam anos em dúvidas a respeito de sua fé e incapacitados de testemunhar.

“Pois haverá tempo em que não suportarão a sã doutrina; pelo contrário, cercar-se-ão de mestres, segundo as suas próprias cobiças, como que sentindo coceira nos ouvidos; e se recusarão a dar ouvidos à verdade, entregando-se às fábulas.” (2Tm 4:3-4).

Uma destas doutrinas humanas é a teoria da evolução. Desde o ensino infantil até as salas universitárias, ela tem sido amplamente divulgada como sendo fato cientificamente comprovado, o que é mentira. E o pior: quem acredita nas histórias bíblicas acaba por sofrer algum tipo de censura ou perseguição.

A discussão existente entre “criação” e “evolução” afeta cada um de nós, pois, trata de nossas origens. A pergunta que se faz nesta discussão é: Somos seres criados por um ser superior, infinito e amoroso, Deus, ou somos vestígios de uma gigantesca explosão inicial que evoluíram espontaneamente?

A Teoria Geral da Evolução Orgânica, proposta por Charles Darwin afirma que todos os seres viventes se originaram devido a um processo evolucionário de uma única fonte, que por sua vez, surgiu semelhantemente e espontaneamente de um mundo sem vida. De um outro lado, porém, temos o conhecido relato bíblico quando Deus criou a partir do nada o universo, todos os minerais, todas as espécies básicas de animais e vegetais e inclusive o homem e a mulher.

Mas, não há uma única maneira de conciliar ambas as explicações em uma única doutrina. Na evolução não há espaço para um Deus Pai que se interessa por Sua criação e enviou Seu Filho para sofrer e morrer por nós e nos salvar da morte. Na criação também não há lugar para as teorias evolucionárias. Se rejeitássemos qualquer parte do relato de Gênesis, deveríamos rejeitar toda a Bíblia. Pode até parecer uma conclusão exagerada, mas ela está correta.

A Bíblia é um todo uniformemente inspirado (2Pe 1:20-21). Ora, sabemos que Gênesis foi escrito por Moisés e o próprio Senhor Jesus confirmou a autenticidade dos seus escritos (João 5:46-47).

Podemos apresentar algumas questões aos evolucionistas, para as quais certamente eles terão muita dificuldade em responder:

1ª) Quando a grande explosão inicial supostamente deu origem ao universo, o que foi que explodiu?

2ª) De onde viria a primeira partícula de matéria, senão de Deus?

3ª) De onde viria a energia que causou a explosão?

4ª) O que evoluiu primeiro: as plantas ou os insetos que as polinizam?

5ª) De que forma a vida aprendeu a se auto-reproduzir, ou, ao menos, saber que havia esta necessidade? Ou, com quem cruzou a primeira célula capaz de se reproduzir?

PENSE NISSO:

EXISTE UMA COMPATIBILIDADE INQUESTIONÁVEL ENTRE A VERDADEIRA CIÊNCIA E A INTERPRETAÇÃO CORRETA DA BÍBLIA.

A verdade é que a teoria da evolução contraria diversas bases da ciência. Entre elas temos a Lei da Biogênese, criada por Louis Pasteur que afirma que

"A vida só pode vir de vida”.

A ciência tenta encontrar o famoso elo perdido, ou seja, alguma ossada que prove que os seres humanos são descendentes dos macacos, mas, sempre falhará nesta busca. O “homem de Cro-Magnon” não era um homem-macaco, mas apenas um homem, o “Ramapitecos” era apenas um orangotango. O “homem de Piltdown” era apenas uma mandíbula de macaco encaixada em um crânio humano. O “homem de Neanderthal” era apenas um homem.

O destino das “evidências” atuais que causam alvoroço nos meios científico e eclesiástico aparentemente contradizendo a Bíblia certamente é o mesmo: serem desmascaradas. Os cientistas envolvidos nesta busca deveriam aprender com a Bíblia que afirma:

“Toda palavra de Deus é pura; ele é escudo para os que nele confiam. Nada acrescentes às suas palavras, para que não te repreenda e sejas achado mentiroso.” (Pv 30:5-6).

_________________________________________________
Como fontes de pesquisa para comparação e análise, acessem os seguintes links, por exemplo:

Um comentário:

  1. mais uma vez, ótimo texto. Vou reproduzir essa semana no MCA

    ResponderExcluir