quinta-feira, 7 de abril de 2011

PRINCÍPIOS DE INTERPRETAÇÃO BÍBLICA (HERMENÊUTICA)

Muito da confusão atual da religião e na aplicação dos princípios bíblicos vem da interpretação distorcida e má compreensão da Palavra de Deus. Isso acontece até mesmo em círculos que defendem a infalibilidade das Escrituras.

A palavra "hermenêutica" é derivada da palavra grega "hermeneutike", que é derivada do verbo "hermeneuo". É a ciência que ensina princípios, leis e métodos de interpretação, geralmente de obras literárias do passado, trazendo um caminho seguro para remover as diferenças e a distância entre o escrito original e os leitores da atualidade, sendo que estes últimos devem figuradamente "se transportar" para a época do autor para compreender melhor o que ele tinha em mente.

Hermenêutica geral se aplica à interpretação de todos os tipos de escritos.

Hermenêutica especial se aplica a algumas espécies definidas de produções literárias tais como leis, história, profecia, poesia.

A hermenêutica sacra é especial por tratar da Bíblia, única no domínio da literatura, que só mantém seu caráter teológico enquanto acredita e reconhece o princípio da inspiração divina.

E neste tipo de interpretação não é suficiente tão somente compreender o que os autores quiseram transmitir, pois, na verdade, eles são autores secundários. É preciso, acima de tudo, tentar compreender melhor a mente do Espírito Santo, pois Ele é o autor principal, o inspirador do texto sagrado.

Quando interpretamos a Bíblia estamos praticando “hermenêutica bíblica”, um campo específico da hermenêutica que é o estudo da linguagem e do discurso. A expressão “hermenêutica” vem do deus grego Hermes, que, segundo aquela sociedade, trazia a palavra dos deuses aos mortais.

A hermenêutica bíblica estuda a linguagem da Bíblia e a sua tarefa é determinar o que uma declaração bíblica significava para o seu autor e seus leitores e depois explicar e aplicar este significado para nós hoje.

Existe uma ordem de prioridades, portanto, neste estudo:

1) O que a Bíblia queria afirmar quando foi escrita; e

2) Qual o significado dessa afirmação para a nossa vida hoje.

O princípio máximo da hermenêutica bíblica é que A BÍBLIA É DIVINAMENTE INSPIRADA.

Se este pressuposto não estiver inserido nos nossos critérios de interpretação, nossa hermenêutica será deficiente e não poderá ser considerada como ideal para a compreensão da Bíblia como sendo a Palavra de Deus;

Por inspiração divina queremos dizer que é a influência sobrenatural e inerrante exercida pelo Espírito Santo sobre a mente dos escritores bíblicos, movidos pela iniciativa Dele e não humana, que conferiu aos textos bíblicos a autenticidade divina.

Quando afirmamos que o Espírito Santo moveu os autores bíblicos na escrita dos livros sagrados, essa expressão possue um sentido bem mais amplo do que muitos podem imaginar, ela inclui a investigação dos documentos, a coleção dos fatos, a organização do material, a escolha correta das palavras, ou seja, todo o processo que envolve a composição de um livro.

Vamos observar o que dois dos maiores defensores da fé cristã da atualidade (Norman Geisler e Thomaz Howe) têm a nos ensinar sobre como devemos melhor interpretar a Bíblia (livro “Manual Popular de Dúvidas, Enigmas e ‘Contradições’ da Bíblia”, p. 17):

“HÁ ERROS NA BÍBLIA? NÃO! Os críticos afirmam que a Bíblia está cheia de erros. Alguns falam até mesmo em milhares de erros. A verdade é que não há nem mesmo um só erro no texto original da Bíblia que tenha sido demonstrado (...)” (p. 13) - “HÁ DIFICULDADES NA BÍBLIA? SIM! Ainda que a Bíblia seja a Palavra de Deus e, como tal, nela não possa haver erro algum, isso não significa que nela não haja dificuldades. Todavia, como Agostinho observou com sabedoria: ‘Se estamos perplexos por causa de qualquer aparente contradição nas Escrituras, não nos é permitido dizer que o autor desse livro tenha errado; mas ou o manuscrito utilizado tinha falhas, ou a tradução está errada, ou nós não entendemos o que está escrito’. Os erros não se acham na revelação de Deus, mas nas falhas interpretações dos homens”.

O QUE DEUS DIZ É SEMPRE VERDADE

Evidentemente tudo aquilo que Deus fala reflete aquilo que Ele é na Sua essência (Is 45:19c; Hb 6:18b).

Portanto, Suas palavras ou a Sua Palavra também é perfeita, infalível e verdadeira (Sl 119:140a; Jo 10:35; 17:17), ela é útil para o nosso aprendizado e edificação (Sl 119:130; Rm 15:4; Hb 4:12; 2Tm 3:16-17; 2Pe 1:20b-21).

Já que o que Deus diz é verdade, contra fatos não há argumentos, como a própria Bíblia já havia expressado:

“Nada podemos contra a verdade, senão em favor da própria verdade" (2ª Coríntios 13:8).

Pode-se até não compreender às vezes o que está registrado na Bíblia, mas, sem dúvida é a pura verdade.

Portanto é vital interpretar corretamente a Bíblia, considerando que ela é a verdadeira Palavra de Deus para a nossa vida.

Interpretar corretamente a Bíblia é saber exatamente qual a vontade de Deus para a nossa vida.

Interpretar corretamente a Bíblia não nos deixa alienados sobre as verdades da vida.

Interpretar corretamente a Bíblia nos ensina que foi Deus que criou a vida, o universo, suas leis e o rege soberanamente no passado, presente e futuro.

Interpretar corretamente a Bíblia nos torna pessoas conscientes de onde viemos, de nossa missão na Terra e para onde vamos.

A BÍBLIA FOI ESCRITA PARA SER ENTENDIDA CLARAMENTE (2Co 1:13).

Paulo inclusive não se importava em escrever mais de uma vez a mesma coisa para garantir a segurança de seus leitores de que eles realmente aprenderiam (Fp 3:1)

Nas próximas postagens continuaremos considerando alguns princípios de interpretação bíblica.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário